Pandemônio

 

“Tem sido um ano difícil”, pensei.

Mas lembrei que ainda estamos na primeira semana. Oh, God!

Contrariando as expectativas e botando o espírito de renovação para correr, meu primeiro cartão de visitas de 2022 foi um diagnóstico positivo de Covid após dois longos anos blindado por uma sorte irretocável (ou seria prevenção incansável?)

Divagações à parte, o aspecto mais estranho do diagnóstico é recebê-lo à essa altura da pandemia.

O Réveillon no Brasil foi mesmo “contagiante”, e assim entrei para a estatística na mesma semana em que o mundo alcançou seu ápice de contaminações (2,4 milhões de casos globais em 24 horas).

Os números assustam, afinal, onde isso vai parar (e vai parar?)

Paz parece não ser mais uma opção, penso aqui nas primeiras horas da minha quarentena. Inevitável não pensar também no chão que ainda temos pela frente, nos antivax, nos negacionistas, no presidente genocida, nas pessoas que ainda usam máscaras no queixo e pra variar, na variante.

Mas esse texto aqui não é sobre reclamação, rs.

Pelo contrário, porque cair nas garras do vírus a essa altura, à espera da dose de reforço, é muito confortável, afinal, quantas pessoas não deram essa sorte?

E mostra também que todos os cuidados, por mínimos que sejam, funcionam, e graças a eles me mantive incólume desde o início da pandemia.

O update que isso trouxe à minha mente: aquilo que parecia ser uma luz no fim do túnel era cortina de fumaça. O bicho ainda tá pegando e todo mundo tem que fazer sua parte.

No mais, é isso.

Feliz 2022 e que nós, navegantes, tenhamos duas vezes mais sorte para surfar nesse tsunami.

Postar um comentário

4 Comentários

  1. Força amigo.
    Coisa passageira
    Esse ano é o da redenção

    ResponderExcluir
  2. Texto digno de coluna em jornal impresso ou digital! Mas comento a divagação, que foi sensacional: É sim, prevenção incansável!

    ResponderExcluir
  3. Se a vida te der limões faça uma reflexão.
    Fé que as coisas vão melhorar!

    ResponderExcluir
  4. Você vai passar por essa barra rapidinho amigo. Enquanto isso, que você continue agraciando a gente com as suas reflexões incríveis!

    ResponderExcluir